sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Os diagnósticos

Hoje vou falar dos diagnósticos que recebi até chegarem no IRC (Insuficiê...ah vah, gente, dá pra entender!!, né??).

1- Bem, depois que descobri que estava com pressão alta, logo falaram que seria um problema na minha tiroide. Tenho um primo que está com câncer nisso, o que aumentava ainda mais a suspeita.

2- No cardiologista, cheguei com pressão alta e vomitando pra caramba, ele me diagnosticou como uma pessoa  hipertensiva (sem motivos, ainda) e esses vômitos nada mais seria do que uma virose.

3- Como eu estava muito fraca de tanto vomitar, sem conseguir comer nada, me levaram para o hospital de Jalão Tropical, e o médico de lá, falou que eu estava estressada e com verme, e de bônus falaram que tenho ovário policístico!!!

4- Vim para São Paulo na esperança de conseguir prestar o Enem, mas ainda estava muito fraca e vomitando demais, obviamente não consegui. Na outra semana, me convenceram a voltar para Jales e me levaram num psiquiatra, e fui diagnosticada como uma pessoa depressiva.

5- Até que finalmente, após saírem os resultados dos meus exames de sangue, veio o diagnóstico certo, feito pela corpo clínico do Hospital das Clínicas da USP, de que eu era uma Doente Renal Crônica, na fase terminal e que precisava de fazer hemodiálise e transplante. 

Assim que fui diagnosticada como depressiva, passei a tomar anti-depressivos e calmantes e meus sintomas pararam, e tínhamos até pensado em não mais fazer os exames que o cardiologista receitou, mas graças ao psiquiatra, que reparou que eu estava muito branca (mais que o meu normal, é claro), e disse para fazer pelo menos o hemograma, porque certamente eu estava anêmica.

Agora vocês imaginam, quantas pessoas não morrem sem saber o que realmente tem? Depois que passei a tomar anti-depressivos e calmantes eu estava completamente normal! Fui até pro cursinho e tudo...estranho né?

2 comentários:

  1. Menina, pq não chamaram logo o Dr. House pra resolver isso?! Mas o fato é que doenças crônicas que começam de repente, como a sua, são bem difíceis de diagnosticar no início. Considerando que você é jovem e estava prestando vestibular, qualquer quadro psiquiátrico cairia muito bem (eu já passei por isso). A sua sorte foi o "dotô" que pensou em doença renal e pediu a dupla dinâmica "uréia e creatinina"! O bom da história, se é que tem algo bom nisso, é que o diagnóstico foi feito e, se Deus quiser, logo logo você terá um rim novinho!!!

    To torcendo e rezando por você Kraw, com paciência e muita força de vontade você vai superar tudo isso e vai ter uma história linda pra contar!!!!

    p.s. Dúvida: você chegou a fazer biópsia de rim? eles sabem qual a lesão que levou à doença renal crônica?

    Bjooos e qq coisa eu to aí!

    Poli

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, não cheguei a fazer biópsia do rim porque pelo ultrassom ele já estava bem pequeno e beem branco, sinal de que qualquer que fosse a infecção que teve, já cicatrizou...><

      Os meus médicos suspeitam que tenha sido uma Glomerulonefrite que tive quando criança (dois tios meus por parte materna também tiveram), só que assintomática...nunca nem tive infecção urinária... Mas também nem sei se fizeram um teste de lupus em mim, então nem sei...acho que foram com a máxima do House, "It's never lupus" riariairiairairiari

      Bjão!

      Excluir