quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

A investigação dos possíveis doadores vivos

Hoje tive uma consulta que literalmente "deu a largada" (estou bem cliché, não enchem) ao meu esperado transplante. A verdade é que posso receber um rim a qualquer momento, já que estou na fila de doadores defuntos. Mas, esperar para algum infeliz ( e bota infeliz nisso) sofrer um acidente e ter morte cerebral não é  muito bacana , não é mesmo???

A primeira coisa a se fazer (além de esperar infinitamente por uma consulta, e no dia da consulta, aguardar umas 3 horas para ser atendido...mas isso é normal para o nosso querido SUS...) é um teste simples, chamado "cross match" ( a "prova cruzada"), que nada mais é que juntar o meu lindo sangue com o sangue do meu possível doador e ver se não vai ter nenhuma reação. Não é uma bruxaria, mas isso permite saber se o meu corpo irá rejeitar o rim horas depois da cirurgia. 

Aqueles cujo o cross match deu NEGATIVO, ou seja, NÃO HOUVE nenhuma reação, está apto para continuar com a investigação: uma bateria de exames, que tentam achar possíveis complicações para o doador, que o impediria de doar o rim. Os exames envolvem: 123432341324234 exames de sangue, ultrassom, raio-x, ecocardiograma, eletrocardiograma, entre outros. 

Quem passar em todas esses exames, terá o prazer de perder um rim!YAY



Nenhum comentário:

Postar um comentário